HOME   QUEM SOMOS   FALE CONOSCO
CATEGORIAS
  ACADEMIAS
  AÇOUGUES
  ARQUITETURA
  AUTOS & ACESSÓRIOS
  BARES E RESTAURANTES
  CAFETERIAS
  CURSOS DE IDIOMAS
  DECORAÇÃO
  DELIVERY
  ESCOLAS
  ESPORTES
  ESTÉTICA & BELEZA
  FARMÁCIAS
  HOTÉIS
  IMOBILIÁRIAS
  INFORMÁTICA
  JARDINAGEM & PAISAGISMO
  LAVANDERIAS
  LOJAS DIVERSAS
  MODA
  PADARIAS
  PRESENTES
  SAÚDE
  SEGURADORAS
  SERVIÇOS
  TELEFONIA
  VIAGENS
 
  NOVIDADES
  ÁLCOOL BATE GASOLINA NA EMISSÃO DE POLUENTE OZÔNIO EM SP, INDICA ESTUDO.

Um estudo feito em São Paulo mostrou que a poluição de carros consumindo álcool pode ser tão nocivas ou mais do que a daqueles rodando com gasolina.

A pesquisa foi realizada em entre 2009 e 2011, anos em que o preço do álcool sofreu alta acentuada em certos períodos. Nesses intervalos a frota de carros flex migrou subitamente do etanol para a gasolina por algum tempo.

O fenômeno foi investigado pelo economista Alberto Salvo, brasileiro na Universidade Nacional de Singapura, e Franz Geiger, da Universidade Northwestern, de Chicago. Os dois compilaram uma grande quantidade de dados de venda de combustível, meteorologia, extensão de congestionamentos e controle de qualidade do ar.

Ao contrário do que indicavam estudos de simulação, porém, a concentração de ozônio (um dos produtos de combustão mais nocivos à saúde) foi reduzida em 22%, com o aumento do consumo de gasolina. Em contraposição, os teores de óxido nítrico e monóxido de carbono subiram 25% e 18%. O resultado está em estudo publicado pelos cientistas na revista "Nature Geoscience".

Ainda estão sendo feitos estudos para determinar se essa troca é boa ou ruim em termos de saúde pública, pois esses gases afetam o sistema respiratório humano de diferentes formas. Uma dificuldade é que a OMS (Organização Mundial da Saúde) usa parâmetros diferentes para estabelecer os limites de segurança dessas substância no ar respirado em cidades.

Em São Paulo, porém, o ozônio costuma se aproximar mais do nível de tolerância do que o monóxido de carbono o faz. É ainda uma incógnita na equação o material particulado, derivado de fuligem, pois a Cetesb só começou a monitorar partículas menores em 2011.

Segundo Salvo, o fator que fez a combustão de álcool ter um efeito inesperado em São Paulo é que a cidade em geral tem uma concentração relativamente pequena de hidrocarbonetos, como o metano. Essas são as moléculas que costumam capturar os óxidos de nitrogênio emitidos em alto teor na combustão típica de gasolina.

"Se aumentamos as emissões de óxidos de nitrogênio, eles acabam `comendo' o ozônio ao reagir com ele", diz Salvo. Isso acontece com mais intensidade num lugar com o perfil atmosférico como o de São Paulo, "onde há poucos hidrocarbonetos com que os óxidos de nitrogênio podem reagir", afirma.


CENTRO x SUBÚRBIO

Um único estudo ainda é pouco, porém, para dar um veredito sobre qual combustível, etanol ou gasolina, é mais nocivo numa metrópole com 7 milhões de carros.

"As reduções em ozônio relatadas por Salvo e Geiger estão provavelmente ocorrendo na parte mais poluída da cidade, que é mais rica em óxidos de nitrogênio", diz Sasha Madronich, do Centro Nacional de Estudos Atmosféricos dos EUA, autor de artigo comentando o estudo da dupla. "A resposta à mudança de combustível pode ser diferente em outras partes da cidade, como os subúrbios."

É inegável que o etanol de cana é mais benéfico que a gasolina em termos de efeito estufa, que causa o aquecimento global, diz Salvo. Independentemente disso, porém, está claro que o álcool está longe de ser um combustível totalmente "limpo" em termos de saúde pública.


Rafael Garcia
Notícia original de: Folha Ecologia

MAIS NOTÍCIAS
- Clique aqui e conheça a CASA BARÃO, antiga padaria CASA LONDON.
- Conheça as nossas opções de restaurantes no bairro Vila Leopoldina.
- Quer comprar, vender ou alugar seu imóvel na Vila Leopoldina!
- Entra em vigor nova regra para mudar crédito bancário.
- Álcool bate gasolina na emissão de poluente ozônio em SP, diz estudo.
- Anvisa proíbe venda de suplementos proteicos para atletas.
- Banana verde e plantas podem ser úteis contra inflamações intestinais.
- Bebês devem usar creme dental com flúor.
- Dor nas costas: veja 4 possíveis causas para o desconforto.
 


 
Copyright 2009/2013 © Site Vila Leopoldina - Todos os Direitos Reservados